terça-feira, 18 de dezembro de 2012

E tudo seria mais simples. E mais genuíno.

Os cabrões (e as cabras) mantinham a postura do resto do ano. Achincalhar, passar por cima, denegrir, empatar, fofocar, enganar, escarnecer, ludibriar, estragar.

A gente boa continuava a ser gente boa. Ajudar, estar, apoiar.

Os que são, de acordo com a posição do rabo face à lua quando acordam, continuavam a sê-lo. Uns dias assim; outros, assado. Nuns dias carne, noutros peixe.

Mas no Natal, não!
No Natal é tudo paz, amor e sininhos. Sorrisos e palavras bonitas. Doçura e compreensão. Carinho e ternura.

Para depois tudo passar, tudo se esquecer e tudo voltar ao normal.
Pró raio que os parta, mais o Natal.

(que treta de gaja é esta, Mg? Não tens nada melhor para fazer? Estar quieto e calado, talvez? Era capaz de ser uma opção a ter em conta. E tu até nem tens nada contra o nascimento do Menino que agora está em palhas deitado. Só te aborrece o efeito camaleónico que a coisa, por vezes, parece ter e a febre consumista desta malta que nesta altura anda toda feita baratas tontas.)

26 comentários:

  1. tpm, querido?... vem cá que eu dou-te um abracinho grande :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E levas os meus animais a passear?

      Eliminar
    2. só se quiseres... sabes que gosto :)))

      Eliminar
    3. Só quero que me trates bem! ;)
      E acaricies as bolas da árvore com a atenção que esta quadra merece...

      Eliminar
    4. Oh, oh, oh... Merry Christmas!

      Eliminar
    5. .... GRRRRRR.... QUE NERVOS TU ME METES!

      Eliminar
    6. Hey...se queres bater em alguém eu não tenho culpa, ok?
      Quanto muito, posso ajudar-te...

      Eliminar
    7. é para ti que estou a falar, sim!

      Eliminar
    8. Sossega...
      E deixa-te de fitas! :)

      Eliminar
    9. Um bom copo de vinho ou uma boa noite de sono e isso passa... :)
      Fiteira!

      Eliminar
    10. Hoje tás impossível. Quando estiveres melhor, avisa...
      Pelos vistos, mais que isso não posso fazer.

      Eliminar