segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Mg também fala sobre a comunicação social.

E sobre a sede de audiências.
E sobre a enorme falta de bom senso em determinadas alturas.

E entristece-me, de certa forma, constatar que há alturas em que o que mais importa é a luta desenfreada por mais uma cabeça nos shares e um numero nas pageviews.

Porque há pessoas que merecem ser recordadas pelas imagens do que fizeram num campo de futebol, num palco algures por esse mundo fora, numa sala de um bloco operatório ou num laboratório de investigação cientifica.

Não merecem que a ultima recordação dos mortais que cá ficaram para assistir seja uma urna a ser depositada 7 palmos abaixo da terra.

Num local onde, mais tarde ou mais cedo, todos irão parar.

E porque merecem mais, não merecem isto.

Não é serviço publico. Não é serviço privado. Não é nada. Nada!

Não sou Benfiquista por tua causa.
Não me fiz do Benfica pelos teus golos.
Não assisti ao vivo a nenhuma das tuas arrancadas.
Nunca falei contigo.
Não tenho nenhum autógrafo teu.

E, talvez por isso mesmo, e por só ter percebido quem foste muito depois de ser vermelho:

Obrigado, Eusébio.

Por seres um símbolo, por seres um Embaixador de Portugal no mundo, por seres uns dos maiores na tua arte, mas, sobretudo, por seres (teres sido) uma pessoa boa, uma pessoa humilde, uma pessoa de bem.

E, no fundo, o que nós precisamos é disso: gente boa.

E aos que vestem outras cores (verde, azul, amarelo, branco, preto ou, até, outros vermelhos) obrigado também pelo reconhecimento.

Porque há coisas que transcendem os clubes ou as SAD's e porque a rivalidade deveria ficar sempre dentro das quatro linhas.

Cá fora, somos todos iguais. Comuns mortais.


Descansa em paz, King.

13 comentários:

  1. Fiquei com lágrimas nos olhos. E não estou a gozar....

    Senti uma enorme desilusão exactamente por isso que descreveste. Senti vergonha dos nossos média e do povo em geral. A certa altura mudei de canal porque pensei não querer contribuir para as audiências... Ele mereciia mais respeito... Fica z reflexão. Obrigada pelo texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O povo que lá foi ou foi "obrigado" a assistir a tudo isto, não tem culpa. Nem eu tenho nada contra.
      Felizmente, passei um pouco ao lado durante o dia.
      Mas bastou-me pouco mais de uma hora, para perceber como as coisas se passaram.
      (às vezes dá-me para isto. Deve ser da febre. Desculpa. Beijo.)

      Eliminar
  2. Pois....já vinha eu preparada para deixar posta de pescada...e leio isto!
    Exactamente aquilo que senti ontem...e que infelizmente me parece que irá ser explorado ainda durante toda a semana....
    PIOR foi ter visto de relance qualquer coisa como....o nome ou símbolo do Eusébio passará a constar nas camisolas???
    Really?? e não podiam ter homenageado assim o senhor ainda VIVO!!!
    é pah.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É pah.. Porque é que vens sempre para me bater?
      De resto, já muito foi dito..

      Eliminar
  3. Ora toma! O Escriba revelou-se em 2014...

    ResponderEliminar
  4. Uma figura muito acima de qualquer clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos de acordo.
      Como muita outra gente.

      Eliminar
  5. Prestei-lhe preito no facebook.

    E, sendo sportinguista, acho que Eusébio pertence a toda a toda a gente e que não merecia de modo nenhum o folclore que se montou no triste momento da sua partida.

    Paz à sua alma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O povo gosta, não é assim?
      Ou é obrigado a gostar?

      Eliminar