terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Poema de Natal.

O pai Natal é gordinho
E este ano vem de mota
De prendas vem cheiinho
Pra meter nojo, contra a Troika

As renas estão cansadas
Já não dão rendimento
A pelugem foi tirada
Para melhor arejamento

Já lhes sai o fulgor
Do corpo velho e cansado,
Coitadas

Para o ano será melhor,
E já farão o caminho de cor,
À casa da criançada.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Sempre!
      E estou cá para servir.
      Espero que tenha sido do agrado.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. O post é meu. O poema é meu. O nome fui eu que lhe dei.
      Chama-se Poema de Natal, apesar de ser um soneto. ;)

      Eliminar
  3. Que grande soneto..nem os mais promissores poetas da actualidade fariam melhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não por acaso, muitos me pedem conselhos sobre a arte.

      Eliminar
  4. Vai fritar os sonhos, homem. Já não te aguento :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As mulheres tratam dessa parte. Eu é mais vinho!
      Obrigado pelo carinho.

      Eliminar